ALCOOLISMO

Maria das Graças S.B. Medeiros

 

Alcoolismo - Doença da Família

 

 

Maria das Graça S. B. Medeiros (*)

 

          O alcoolismo - doença reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), desde 1967 - afeta seguramente dez por cento da população do mundo, sem poupar sexo, idade, condição sócio-econômica e/ou etnia. Os efeitos desse problema vai bem mais longe do que se pode imaginar, dando margem a uma séria de indagações e reflexões.

Por exemplo: o que têm a ver a família, os amigos, os vizinhos, os colegas de trabalho? Qual o grau de comprometimento, além do sentimento de solidariedade, pelo fato de serem ‘humanos’ e sentirem pesar pela dor do outro? Como e por quê adoecem junto com o alcoólico?!  Em que nível, quando e como adoece? Onde está o ‘contágio’?

Estando o alcoólatra inserido numa família, sofrendo as conseqüências que o mal lhe causa, com uma  doença física, psíquica, emocional, espiritual e social, é impossível que as pessoas do seu convívio permaneçam ilesas na relação.  O contágio do alcoolismo se dá, assim, em nível emocional e psicológico, a princípio, podendo ir às conseqüências físicas mais sérias, como hipertensão, síndrome de pânico, entre outras.

DEPENDÊNCIA

           O adoecer da família vai acontecendo à medida que evolui e se instala a dependência  propriamente dita, do alcoólatra. É um processo paralelo.  É o ambiente familiar - onde o bebedor, o cônjuge, e os filhos convivem e deveriam partilhar em conjunto de todos os acontecimentos (fáceis e difíceis, alegres e tristes, da rotina do dia-a-dia, do crescimento da família, dos filhos)  - que mais sofre as conseqüências, a desagregação e o adoecer.

O espaço doméstico passa a ter em comum as dores (físicas e emocionais), a angústia, o medo, a raiva, o ressentimento e os dissabores. Do odor ( mau cheiro) do álcool ao nervosismo dos que se encontram em casa, no lar e não sabem em que condições chegará o familiar alcoólatra; às promessas não cumpridas, os sonhos desfeitos, as noites insones, a ausência total, tudo é sofrimento, é decepção, é a verdadeira  ‘dor da alma’ .

Daí, os efeitos do álcool no alcoólatra, no que diz respeito aos distúrbios físicos, psicológicos e sociais, serem ‘socializados’ com os que com ele convivem. Assim como as seqüelas no comportamento, ao longo da vida... Mudança de personalidade, alteração de humor, angústia, depressão...  Levando-nos a concluir que, sendo o alcoólatra um dependente químico do álcool, seus familiares, as pessoas de sua convivência, são co-dependentes, por tudo que adquiriam ao longo do processo. O relacionamento tende a se transformar num dilema, num tumulto.

            TRATAMENTO

Considerando o alcoólatra como portador de uma doença, assim como os seus familiares pessoas que adoeceram em conseqüência da convivência, entendemos que todos precisam de tratamento e cuidados especiais para levarem uma vida saudável.

Como em qualquer outro diagnóstico, o doente só se trata se admitir que é doente e se quiser se tratar.  É a ‘rendição’ à doença e a ‘aceitação’ do tratamento.  Não é diferente com o portador do alcoolismo e seus co-dependentes.

Tanto para os alcoólatras como para os familiares,   em muitos casos,  não basta  a consulta com o médico, o tratamento medicamentoso. É preciso algo mais. Nesse momento entra a grande contribuição de Alcoólicos Anônimos - para os alcoólatras - e de Al-Anon para familiares e amigos.

“Os Grupos Familiares Al-Anon são uma associação de parentes e amigos de alcoólicos que compartilham sua experiência, força e esperança, a fim de solucionar os problemas que têm em comum.”

          Nesses grupos de ajuda mútua, só existe um propósito: ‘ prestar ajuda a familiares e amigos de alcoólicos’. São grupos abertos, democráticos, onde o que conta é a disposição para mudança interior; mudança de atitude para uma recuperação satisfatória.

 ---

(*) Graça Bezerra é Assistente Social

 

 

ARTIGOS DE WALTER MEDEIROS

ALCOOLISMO, UMA DOENÇA SOCIAL

AL-ANON COMO UM RECURSO A MAIS PARA OS PROFISSIONAIS

O REMÉDIO NÃO ERA O ÁLCOOL

BEBIDA ALCOÓLICA PATROCINA A SELEÇÃO BRASILEIRA

ONDE CUIDAR DO DEPENDENTE QUÍMICO

 

ARTIGOS DO DR. ALBERTO DURINGER

1. Alcoolismo, onde está a doença primária?

2. A recuperação em alcoolismo

3. A tática do avestruz

4. Desarmando os gatilhos

5. Alcoolismo e desempenho sexual

6. Sintomas de recaída 

 

Marketing - Marketing na Internet, eBook Marketing, Email Marketing, Marketing Sites de Busca, Marketing Viral.

TOPO

MENU

INDIQUE SITES

CIDADES DO RN

FALE CONOSCO