O Rio Grande do Norte para todo o Mundo

Natal Rio Grande do Norte Notícias Agricultura Cidades Comércio Comunicação Cultura Educação Entidades EntretenimentoEsporte Indústria Informática Pessoais Poder Público Política Religião Saúde Serviços Turismo

FOTOS

ARTIGO NATAL RN 

AUTOHEMOTERAPIA

29/04/2007

O médico baixou o nível

 --- Walter Medeiros*

O presidente do Conselho Federal de Medicina, médico Edson Andrade, em entrevista ao FANTÁSTICO do domingo 22.04.2007 referiu-se a um colega de profissão de 82 anos chamando-o com ênfase de “picareta” e de “mau caráter”. Era uma reação raivosa à difusão da auto-hemoterapia, feita pelo Doutor Luís Moura, embora não exista nenhuma decisão dos órgãos de classe com o mínimo de solidez, condenando-o a nada. O presidente do órgão de classe dos médicos quis expor à execração pública um colega sob uma alegação mais tendenciosa ainda. Segundo ele, “muito provavelmente nós estamos no bojo de uma grande articulação de autobenefício e de esquema para auferir lucro em detrimento da saúde das pessoas”.

Cabe uma pergunta: não seria o contrário? O Dr. Luís Moura divulga uma técnica que não requer hospital, clínica, equipamentos sofisticados, remédios caros, o que certamente vai de encontro a quem tem articulações de autobenefício e esquemas para auferir lucros em detrimento da saúda das pessoas. Comprovando seu caráter, Dr. Luís Moura afirma que em nenhum caso aconselha o abandono do tratamento que as pessoas estiverem fazendo com seus médicos. Aliás, este assunto foi tratado na mesma matéria pelo presidente da Sociedade de Hematologia, Carlos Chiattone que, demonstrando desconhecer o teor do vídeo sobre auto-hemoterapia, faz tais conclusões, mais vulgares que o fato da técnica não estar ainda documentada cientificamente.

Mas a fila de detratores da auto-hemoterapia, formada apenas por pessoas que exercem cargos em entidades de classe ou instituições desavisadas e que, apesar disto, não se prepararam para debater o assunto, teve mais uma participação inusitada. A presidente do Conselho Federal de Enfermagem, Dulce Bais, condena a auto-hemoterapia porque – prestemos bastante atenção à informação da representante dos enfermeiros: “há risco de abscessos e infecções generalizadas”. Esta frase dá para condenar a auto-hemoterapia? Se der, vamos suspender todos os tratamentos médicos e o trabalho de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, já que no ambiente onde eles trabalham existe sempre o risco de abscessos e infecções generalizadas. Aliás, o Presidente Tancredo Neves morreu depois de uma infecção generalizada e não consta que tenha feito uso de auto-hemoterapia.

Enquanto existe uma tentativa de desqualificar a técnica que o povo vem usando e comprovando sua eficiência e eficácia, a síntese da auto-hemoterapia é a seguinte; “a aplicação do próprio sangue estimula o sistema imunológico e combate várias doenças.” Perguntamos, objetivamente ao Presidente do Conselho Federal de Medicina, à Presidente do Conselho Federal de Enfermagem e ao Presidente da Sociedade Brasileira de Hematologia: estimula o sistema imunológico ou não? Combate várias doenças ou não?

Essas entidades tão importantes para a saúde do povo brasileiro - pois aglutina os profissionais de medicina e enfermagem - precisam avaliar esta postura dos seus dirigentes. Como chamar de “picareta” e “mau caráter” um colega de profissão, como fez o senhor Edson Andrade diante das câmaras do FANTÁSTICO, e achar que está propugnando por dias melhores para a categoria médica? Onde fica o Código de Ética? Não é de se esperar que seja este o procedimento, de tão baixo nível, que os médicos queiram para a condução da sua entidade maior, o Conselho Federal de Medicina. Quanto à auto-hemoterapia, acho que está comprovada como técnica boa; falta apenas os cientistas colocarem no papel, para passar a ser permitida, utilizada e recomendada por muitos dos que hoje a proíbem.

*Walter Medeiros é jornalista.

--- 

ARTIGO ANTERIOR

"FRAUDE" FORJADA

INDIQUE SEU SITE

MENU

TOPO

FALE CONOSCO 

SOBRE O RNSITES