AUTO-HEMOTERAPIA

A CURA DE DOENÇAS COM USO DO PRÓPRIO SANGUE

O QUE É AUTO-HEMOTERAPIA?  E-MAIL 


11.03.2008

Proibição da auto-hemoterapia vista como

“equívoco” no Congresso de Enfermagem

Os efeitos da Auto-hemoterapia foram comprovados novamente, desta vez através de seis trabalhos científicos apresentados no 10º Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem. As informações estão nos anais do evento - realizado de 3 a 6 de setembro de 2007 no Rio de Janeiro – que estão sendo disponibilizados na internet. As pesquisas mostraram que a técnica é eficaz e apresentam recomendações para que as autoridades regularizem a sua prática no Brasil.

Um dos documentos destaca que “devido a infundadas alegações médicas de que não existem comprovações científicas para a AHT - malgrado evidências de sucesso do seu uso em outros países - no Brasil esta prática encontra-se proibida”, adiantando que considera “esta proibição um verdadeiro equívoco das autoridades, diante das evidências científicas que temos vivenciado em nossa prática, sendo também um risco para os usuários, devido a grande demanda reprimida para a utilização do procedimento no país”.

Os trabalhos receberam os títulos de “Auto-hemoterapia: resultados de estudos de casos clínicos realizados na UNIPAC-JF”, “Conhecendo a auto-hemoterapia e comprovando a sua eficácia”, “Estudo da eficácia da auto-hemoterapia: uma análise fisiopatológica”, “Perspectivas da enfermagem frente a implantação da SAE na auto-hemoterapia”, “Tratamento da esclerodermia através de auto-hemoterapia: um estudo de caso clínico”,  e “Uso da auto-hemoterapia-ath como fator coadjuvante no tratamento da psoríase vulgar”.

SIMPLICIDADE

O trabalho “Estudo da eficácia da Autohemoterapia: Uma análise fisiopatológica” mostra que “A autohemoterapia - AHT vem sendo combatida pelas autoridades de saúde no Brasil, tornando necessário o desenvolvimento de pesquisas que demonstrem sua efetividade”, explicando que “Este estudo qualitativo e descritivo-exploratório tem por objetivo abordar os aspectos fisiopatológicos dos casos clínicos de clientes participantes da pesquisa sobre eficácia da AHT, desenvolvida na UNIPAC-JF. Os dados foram coletados de agosto/06 a junho/07 através da análise de prontuários (fontes primárias) - numa casuística de 35 pacientes classificados em grupos patológicos - e analisados com base em referencial bibliográfico específico”.

Segundo a pesquisa, “A AHT estimula o sistema fagocitário mononuclear através da ativação do sistema reticulo endotelial. A partir deste estímulo, o monócito diferenciado permanece de 1 a 6 dias na circulação de onde passa para os tecidos se denominando macrófago e combatendo processos inflamatórios, apresentando antígenos e induzindo ao reparo tecidual. (ABBAS, 2005)”. Diz que “É sabido que tal mecanismo atua no combate de processos patológicos, aumentando a vigilância imunológica, revertendo e/ou estabilizando processos crônicos-inflamatórios e crônico-degenerativos (JUNQUEIRA, 2004). Isto também é valido para as patologias auto-imunes”.

Resultados parciais da pesquisa demonstram que nos processos auto-imunes, a AHT estimulou a renovação tecidual de lesões e implementou o combate ao processo inflamatório gerado. Em processos crônicos degenerativos, os clientes relataram melhora dos sintomas, o mesmo ocorrendo para aqueles que apresentavam processos crônico-inflamatórios. Não foram constatados efeitos adversos ou colaterais a esta terapia, mesmo naqueles que fizeram uso prolongado da AHT. Concluiu-se que, por sua simplicidade, a AHT se mostrou um ótimo tratamento complementar, inócuo e de eficácia comprovada.

EFICÁCIA

“Conhecendo a auto-hemoterapia e comprovando a sua eficácia” foi outro trabalho apresentado, no qual é lembrando que “A auto hemoterapia é uma técnica bastante antiga. Em 1911 F. Ravaut descreveu seu emprego em diversas doenças infecciosas, especialmente na febre tifóide e nas dermatoses. É um recurso terapêutico de baixo custo, simples que se resume em coletar sangue do próprio paciente e aplicar em seu músculo. Este procedimento estimula o Sistema Retículo Endotelial, quadruplicando o percentual de monócitos e por conseguinte, de macrófagos em todo organismo”.

A pesquisa descritivo exploratória de enfoque quanti-qualitativo, tem como objetivo demonstrar a importância da auto hemoterapia, através da realização do procedimento e de estudos de casos clínicos em uma amostra de dez pacientes, dos quais destacaram-se 05 (cinco) casos, em vista de sua relevância. O critério de inclusão foi terem os pacientes procurado espontaneamente este tratamento, sendo em seguida incluídos em um protocolo de atendimento específico.

Informa que “Realizou-se o follow-up dos casos e coletaram-se as expectativas e resultados obtidos com o tratamento através de depoimentos dos próprios pacientes, com a intenção de divulgar a auto-hemoterapia no meio acadêmico e cientifico, demonstrando a eficácia do método e evidenciando a importância e papel do enfermeiro como profissional responsável pela aplicação deste procedimento”. Em seguida, ressaltam o desaparecimento de verrugas após a 3ª aplicação; da grande melhora das dermatoses crônicas. O relato de melhora com relação ao estado de ânimo e ao desaparecimento de dores foi unânime entre os participantes da pesquisa”.

EXCLERODERMIA

No estudo de caso clínico que recebeu o título de “Tratamento da esclerodermia através de auto-hemoterapia: um estudo de caso clínico”, com abordagem quanti-qualitativa, apresentam através de registro fotográfico e acompanhamento clínico sistematizado, o caso da cliente ADB, 48 anos, branca, do lar, diagnostico de esclerodermia, portadora de extensas feridas com predominância de tecido necrótico, envolvendo os membros inferiores dos joelhos para baixo. A esclerodermia é uma doença do tecido conjuntivo que afeta a pele, e algumas vezes os órgãos internos. É classificada como doença auto-imune devido ao fato de que o sistema imunológico nestas doenças é ativado para agredir os tecidos do próprio organismo.

A paciente em questão apresentava a forma sistêmica (esclerose sistêmica), que afeta os órgãos e sistemas internos do organismo. Na esclerose sistêmica, o sistema imunológico costuma causar dano a duas áreas principais: os vasos sangüíneos de pequeno calibre e as células produtoras de colágeno localizadas na pele e em todo o organismo. É o componente colágeno da doença o responsável pelo espessamento da pele.

Segundo o documento, “Até o momento não há cura para a esclerodermia, apenas tratamento e minimização dos sintomas e complicações decorrentes. Submetida à auto hemoterapia durante 3 meses e limpeza das feridas com solução isotônica de cloreto de magnésio a 10%, a cliente apresentou melhora acentuada do quadro clínico, com granulação de 70% da área afetada, resultados estes comprovados através de registro fotográfico e documentação específica”.

Acrescenta que “A autohemoterapia visa a autoestimulação do sistema imunológico através da retirada de determinado volume de sangue venoso do paciente e aplicação deste mesmo volume por via IM, dividindo-se o volume em 2 ou mais partes, técnica simples que estimula o aumento dos macrófagos pela medula óssea, indicada especialmente em doenças auto imunes. A taxa normal de macrófagos no sangue sobe de 5 para 22%, complementando a ação da antibioticoterapia que paralisa a reprodução de microorganismos, enquanto o sistema imunológico ativado, vence a infecção.

PSORÍASE

Quanto ao trabalho “Uso da auto-hemoterapia-AHT como fator coadjuvante no tratamento da psoriase vulgar”, constitui-se de um estudo descritivo com abordagem quanti qualitativa realizado através de registros de prontuário (fontes primária) e registros fotográficos de lesões, relatando o caso clinico da cliente MGSS, 59 anos, negra, do lar, com diagnóstico de psoriase vulgar ativa há 30 anos, referindo não ter neste período apresentado melhoras significativas do quadro, embora tenha experimentado inúmeros tratamentos.

A cliente iniciou a terapia com múltiplas lesões características da doença, disseminadas por todo o corpo, com predominância nas nádegas e nos membros inferiores e superiores, acompanhada de sintomatologia intensa, como prurido, irritação e estado emocional instável. A psoríase vulgar é uma dermatose crônica, inflamatória, não contagiosa, multigênica, caracterizada por placas e pápulas descamativas, bem delimitadas de tamanhos variados. É classificada como doença auto-imune, onde as lesões iniciais estão associadas a infiltrados dérmicos perivasculares de linfócitos e fagócitos mononucleares, onde os neutrófilos podem aparecer no interior da epiderme criando microabcessos.

Submetida à auto-hemoterapia, MGSS foi tratada com 20 aplicações de 10 ml de sangue, apresentou melhora significativa do quadro sintomático, com redução do prurido que era intenso, remissão total de algumas lesões e parcial de outras, conforme pode ser verificado através de registros fotográficos. Paralelamente observou-se redução da pressão arterial da paciente como resultado inesperado da AHT. Este estudo de caso pretende demonstrar a efetividade da AHT em lesões da pele, contribuir para validar a AHT como tratamento complementar, considerando a necessidade atual de pesquisas que comprovem a efetividade deste processo.

PROTOCOLO

O trabalho “Autohemoterapia: resultados de estudos de casos clínicos realizados na UNIPAC-JF”, por sua vez, trata de uma pesquisa descritivo-exploratória com abordagem quanti-qualitativa do tipo estudo de caso, que através da análise de fontes primárias (prontuários) e secundárias (depoimentos dos pacientes), acompanha e relata o processo de pacientes submetidos ao tratamento pela auto hemoterapia. Teve acompanhamento através de anamnese, exames complementares, imagens fotográficas e relatos audio-visuais.

O tratamento seguiu um protocolo de enfermagem para aplicação de auto-hemoterapia, dentro das normas de biossegurança, tendo supervisão médica e de enfermagem direta. A pesquisa foi realizada de acordo com a Resolução CNS 196/96 e não houve ônus para os participantes.

Resultados parciais da pesquisa, agosto/06 a maio/07 - Prescrição médica: 12 seções de auto-hemoterapia com aplicações semanais de 10 ml - Casuística: 35 pacientes de 18 a 77 anos tendo sido analisadas as dores e as doenças autoimunes. 22 pacientes (63%) referiram redução da intensidade dos sintomas, 11 pacientes = (31,3%), referiram remissão total dos sintomas - 02 pacientes (5,7%), não apresentaram alteração dos sintomas.

Não foi registrado e não houve queixas quanto a efeitos colaterais ao tratamento e efeitos adversos das aplicações por nenhum dos pacientes, ou seja 0%. Com este estudo,consideramos que a autohemoterapia, por sua simplicidade constituiu um ótimo tratamento complementar, demonstrando sua inocuidade e comprovando sua eficácia.

PERSPECTIVAS

A auto-hemoterapia foi utilizada também no trabalho “Perspectivas da enfermagem frente a implantação da sae na auto-hemoterapia”, onde está escrito que “Um crescente uso de terapias naturais e complementares no Brasil tem sido observado na última década, referendado pelo Ministério da Saúde, que no sentido de assegurar aos usuários do SUS o direito de realizarem as terapias com segurança, propôs a implementação de política de adoção de terapias não convencionais na rede básica de saúde”. Explica que “De acordo com a resolução 197/97 do COFEN, essas terapias são especialidade do profissional de enfermagem quando qualificado”.

Há um ano, a Faculdade de Enfermagem da UNIPAC-JF realizava pesquisas sobre auto-hemoterapia AHT, para referendar a técnica, que nessa experiência tem comprovado sua eficácia e inocuidade, desde que efetuada por profissional de enfermagem qualificado. Defendem que “Na AHT, o enfermeiro realiza punção venosa periférica e injeção intramuscular, procedimentos que inequivocamente, são ATOS DE ENFERMAGEM e não de outros profissionais, devendo ser regidos pelos órgãos de enfermagem competentes”, asseverando que “Entretanto, devido a infundadas alegações médicas de que não existem comprovações científicas para a AHT - malgrado evidências de sucesso do seu uso em outros países - no Brasil esta prática encontra-se proibida”.

DEMANDA RAPRIMIDA

“Consideramos esta proibição um verdadeiro equívoco das autoridades, diante das evidências científicas que temos vivenciado em nossa prática, sendo também um risco para os usuários, devido a grande demanda reprimida para a utilização do procedimento no país” – acrescenta. E diz mais: “Preocupados com os fatos, relatamos neste estudo nossa experiência ao evidenciarmos que a prática bem feita não resulta em efeitos adversos, visto termos uma casuística de 35 pacientes, dentre os quais, alguns realizaram mais de 20 aplicações sem que tenham apresentado qualquer problema sistêmico ou local”.

Concluindo, revela que “Neste estudo demonstramos a implantação da SAE e do protocolo de AHT no âmbito da pesquisa científica universitária, ressaltando a necessidade da supervisão direta da AHT pelo enfermeiro, como forma de incentivo às autoridades no reconhecimento da prática no Brasil”.

AUTORES

Os trabalhos acima citados foram realizados pelos profissionais que listamos a seguir: - Autohemoterapia: resultados de estudos de casos clínicos realizados na UNIPAC-JF - Relator(A): TELMA GEOVANINI. 1º Autor(A): Manoel Mozart Correa Norberto. CONHECENDO A AUTOHEMOTERAPIA E COMPROVANDO A SUA EFICÁCIA -Relator(A): MARIA CLARA SALOMAO E SILVA. 1º Autor(A): TELMA GEOVANINI. Estudo Da Eficácia Da Autohemoterapia: Uma Análise Fisiopatológica - Relator(A): Jonatas Lima De Bem. 1º Autor(A): Telma Geovanini. PERSPECTIVAS DA ENFERMAGEM FRENTE A IMPLANTAÇÃO DA SAE NA AUTOHEMOTERAPIA - Relator(A): JEYVERSON DA SILVA FERREIRA. 1º Autor(A): Telma Geovanini. TRATAMENTO DA ESCLERODERMIA ATRAVÉS DE AUTOHEMOTERAPIA: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO - Relator(a): TELMAGEOVANINI. 1º Autor(a): TELMA GEOVANINI, 2º Autor(a): Manoel Mozart Correa Norberto, 3º Autor(a): Marilene Pires Antonio. USO DA AUTOHEMOTERAPIA-ATH COMO FATOR COADJUVANTE NO TRATAMENTO DA PSORIASE VULGAR. Relator(a): TALITA DE SOUZA MATOS. 1º Autor(a): Telma Geovanini, 2º Autor(a): Loren Trevizani dos Santos, 3º Autor(a): Fernanda Ávila da Costa Pereira, 4º Autor(a): Cristiane Paiva de Oliveira.

 

DVD do Dr. Luiz Moura tem transcrição na Internt

Estudante de medicina defende auto-hemoterapia

Declaração de Helsinque é ignorada no Brasil

Auto-hemoterapia tem apoio do SINDSAÚDE mineiro

Usuários da AHT abrem novo grupo de dicsussão

Cineasta diz que DVD Auto-hemoterapia tocou alma do povo

Proibição da pode causar mortes e precisa ser suspensa

Auto-hemoterapia no Jornal do Conselho de Medicina

Elitismo da medicina retarda aprovação do uso da técnica


23.02.2008

QUEM PROIBIU A AUTO-HEMOTERAPIA?

A população brasileira está vivendo uma situação incomum que, em decorrência de um processo de incomunicação está causando prejuízos aos usuários e defensores da Auto-hemoterapia. O uso da técnica, que consiste na retirada de sangue por punção venosa e a sua imediata administração por via intramuscular na própria pessoa, não está expressamente proibido, mas uma sucessão de fatos deixou no ar essa impressão.

Por outro lado, é preciso que o Governo Federal, através da ANVISA agilize o processo de decisão, observando que o Parecer do CFM sobre o assunto foi feito de forma superficial e sem conteúdo suficiente para recomendar a proibição da prática da auto-hemoterapia. Ao contrário, que seja feita consulta pública e estimulada a realização de pesquisas que consolidem todas as práticas vitoriosas da auto-hemoterapia ao longo dos seus 100 anos de benefícios e curas.  LEIA ARTIGO COMPLETO

 

TRANSCRIÇÃO DO DVD COM ENTREVISTA DO DR. LUIZ MOURA

 

. ASSISTA DR. LUIZ MOURA EXPLICANDO A AUTO-HEMOTERAPIA

 

. EXPLICAÇÕES SOBRE AUTO-HEMOTERAPIA

 

. ABAIXO-ASSINADO DEFENDE AUTO-HEMOTERAPIA

 

. PESQUISA DO SITE ORIENTAÇÕES MÉDICAS

 

. OUTROS LINKS

 

Participe do forum sobre auto-hemoterapia, no link http://inforum.insite.com.br/39550/ 

 

FANTÁSTICO, CONSELHOS E USUÁRIOS

. "FRAUDE" FORJADA (AUTO-HEMOTERAPIA NO FANTÁSTICO)

. O MÉDICO BAIXOU O NÍVEL (PRESIDENTE DO CFM DETRATA COLEGA)

. PARECER DO CREMERJ É CHEIO DE FALHAS (PARECER NÃO TEM ARGUMENTOS CONTRA AUTO-HEMOTERAPIA)

. AUTO-HEMOTERAPIA, UMA QUESTÃO DE PESQUISA (PARECER DO CFM É CHEIO DE DÚVIDAS)

. PESQUISA E ABAIXO-ASSINADO SOBRE AUTO-HEMOTERAPIA (SITES UTILIZAM ESTES MEIOS PARA CONSTATAÇÕES E DEFESA DA AUTO-HEMOTERAPIA)

. AUTO-HEMOTERAPIA: PROIBIÇÃO PODE SER PENA DE MORTE PARA MUITOS (ARTIGO MOSTRA CONSEQUÊNCIAS DA PROIBIÇÃO)

. CASSAÇÃO DE REGISTRO DO DR. LUIZ MOURA VIOLA DIREITOS HUMANOS

. SUPERFICIALIDADE NO PARECER DO CFM

. CASSAÇÃO DO DR. LUIZ MOURA NO OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA

. DR. ALEX BOTSARIS QUER EQUILÍBRIO NA AVALIAÇÃO DA AUTO-HEMOTERAPIA

. CFM ADMITE TERAPIA SEM COMPROVAÇÃO

. PARECERES DO CFM CRIAM CONFUSÃO SOBRE CIÊNCIA

. MÉDICO DO HC-FMUSP DEFENDE ASSOCIAÇÃO

 

OS MÉDICOS

. Médico paulista também recomenda AHT

. Mastologista sugere estímulo à pesquisa

. Proibição à auto-hemoterapia é agressão à arte de curar

. Médico prevê sucesso da auto-hemorerapia

. Médico diz que prescrever auto-hemoterapia é ato de humanidade

. Médico mineiro diz que auto-hemoterapia seria redenção da saúde pública

. Paraibanos aprovam a auto-hemoterapia

 

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MEDICINA COMPLEMENTAR

INFECÇÃO E SABEDORIA DOS MÉDICOS ANTIGOS

ASOCIACION MEXICANA PARA EL DIAGNOSTICO Y TRATAMIENTO DE ENFERMEDADES AUTOINMUNES

 

AUTOHEMOTRANSFUSÃO COMO PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES PULMONARES PÓS-OPERATÓRIAS

Artigo publicado no "The American Journal of Surgery" (May, 1936 - pág.321), intitulado "Autohemotransfusion in Preventing Postoperative Lung Complications" e assinado por Michael W. Mettenletter (cirurgião do Pós-Graduate Hospital, de Nova York). Texto em inglês; arquivo pdf.

CLIQUE NA FOTO PARA ACESSAR O ABAIXO-ASSINADO

TOPO

MENU

INDIQUE SITES

CIDADES DO RN

FALE CONOSCO