Poemas de CORDEL

Coletânea de versos de Walter Medeiros e outros cordelistas nordestinos

 

A história do alcoólatra que resolveu se tratar

 

--- Walter Medeiros 

 

Quero traçar uma meta

prá todo o resto da vida

abandonar a bebida

que é a forma mais correta

de curar minhas feridas

tão grandes e doloridas

que meu ser tanto afeta

 

Preciso conscientizar-me

a partir destes momentos

que para este mal peçonhento

jamais necessito dar-me

estou certo que agüento

e encontrarei um ungüento

que é capaz de salvar-me

 

Já sei que o alcoolismo

é uma doença fatal

que provoca muito mal

para o meu organismo

portanto serei normal

quando chegar afinal

a vencer o fatalismo

 

O alcoolismo é incurável

já disse a medicina

porém nessa minha sina

tem a certeza agradável

de que qual penicilina

há uma forma cerebrina

de fazê-lo um mal tratável 

 

As estatísticas já dizem

com toda convicção

que não há contemplação

para os ébrios infelizes

dez anos de vida são

cada um perde então

por conta dos seus deslizes

 

O álcool de nada serve

pois a ninguém alimenta

nenhum valor representa

mesmo que seja de leve

por isso neste momento

quero ser bem paciente

como o homem sempre deve

 

  Por conta da bebedeira

só termino com ressaca

que me prejudica paca

de tudo que é maneira

é um mal estar que ataca

provocando uma inhaca

dos pés até a moleira

 

Da ressaca vem tristeza

que entra como navalha

faz da gente uma gentalha

o que não é qualquer moleza

é uma dor que se espalha

por conta de muitas falhas

sem escrúpulos de nobreza

 

Vem também a ansiedade

que deixa desapontado

e até precipitado

quem não tem capacidade

de não jogar para o lado

aquele mal reprovado

por toda sociedade

 

Da depressão não escapa

o que não pode beber

mas insiste em fazer

aquilo que até lhe mata

não adianta querer

nunca mais na vida ter

o que a natureza arrebata

 

A angústia, em seguida,

é uma dor pior ainda

com ela a pessoa finda

muito mais que deprimida

fica-se em uma berlinda

lá fora a vida linda

e em nós droga de vida

 

Por isso quero mudar

vou procurar resistir

prá de novo não cair

na vontade de tomar

procurarei construir

um ponto para partir

e sobriedade encontrar

 

Já assumo essa doença

sou alcoólatra e digo sim

porque perigo prá mim

é o rol de desavenças

resultando em triste fim

fazendo tudo assim

transformar-se em descrença

 

Em cada dos seus estágios

o álcool tem sua face

quem a ele se abrace

paga uns grandes pedágios

não pense que se ressarce

nem que achará disfarce

pois lhe falta até adágios

 

A face da sonolência

é séria e perigosa

sabemos que não é prosa

sua desobediência

situações desastrosas

chocantes e horrorosas

são as suas conseqüências

 

Quando a memória enfraquece

a pessoa fica vesga

qualquer criatura leiga

entende e não se esquece

o tom de pessoa meiga

com o qual a gente chega

por dentro nos enfraquece

 

Depois até úlcera aporta

com toda sua violência

aí só com paciência

prá não virar gente morta

precisa-se de clemência

e cuidados da ciência

se a vida nos importa

 

Chega ao fígado também

essa doença cruel

que pode deixar pinel

não fica livre ninguém

por isso aquele bordel

ou as bebidas ao léu

pesam mais do que um trem

 

Prá nossa apreensão

tem ele outro malefício

talvez deles o mais difícil

pois ataca o coração

é portanto de ofício

combater com sacrifício

procurando um irmão

 

Além de já ser assim

a doença é progressiva

e caso se sobreviva

o controle não é ruim

o que volta à ativa

tem é vida relativa

fica mais perto do fim

 

Como o álcool não é mole

precisa de tratamento

contra o desenvolvimento

para ver se se abole

e prá tanto sofrimento

eu aprendi e sustento

“evite o primeiro gole”

 

Não adianta querer

pode ser velho ou moço

pois é na verdade um osso

bem duro de se roer

chegando ao fundo do poço

só se evita o destroço

quando deixa de beber

 

O alcoólatra é doente

tem de deixar de beber

não adianta dizer

que a coisa é diferente

ele não tem o poder

de ante o copo se conter

pois é uma ser impotente

 

Se ele deixou a bebida

seja o tempo que for

não se conscientizou

e teve uma recaída

aí se bombardeou

pois o quadro piorou

é mais difícil a saída

 

Ademais é importante

dizer também que esse mal

termina anti-social

pois é vem deselegante

quem quer ser o maioral

ou se torna imoral,

indiscreto ou petulante.

 

Prá quem não pode beber

é melhor se conformar

tomar água, suco ou chá,

e não ficar à mercê

de quem quer lhe condenar

ou ridicularizar

por não saber se conter

 

Se isso não acontece

continua a aventura

que humilha a figura

a qual até tudo esquece

mas a dignidade pura

pode trazer a ventura

para aquele que fenece

 

Mesmo lá no ostracismo

pode haver uma saída

para mudar sua vida

combatendo o conformismo

haverá quem dê guarida

bem distante da bebida

prá salvar seu organismo

 

Não é sonho impossível

deixar de lado a vontade

buscando sobriedade

se tem uma força incrível

para enfrentar a verdade

com toda capacidade

seja qual for o seu nível

 

Precisa serenidade

para ter de aceitar

o que não pode mudar

na sua realidade

se assim se comportar

haverá de conquistar

a feliz sobriedade  

 

Coragem é outro lema

para ser levado em conta

não querer a coisa pronta

nem ter medo do dilema

pois assim o homem encontra

saída prá vida tonta

que só lhe causa problema

 

Por fim a sabedoria

é preciso procurar

para poder separar

o que tem ou não valia

na alvorada que está

tão prestes a clarear

nossa vida tão vazia.

 

FIM

 

  

LEIA TAMBÉM

Poemas de Walter Medeiros

e-mail 

Poemas de CORDEL

(*) O conteúdo deste site pode ser reproduzido, desde que citada a fonte e o uso não seja para fins comerciais.

VISITANTES