Poemas de CORDEL

Coletânea de versos de Walter Medeiros e outros cordelistas nordestinos

 

Um salto de setenta anos para redimir a Alemanha

 

--- Walter Medeiros

 

A luz do sol nordestino

Ilumina a minha mente

E aqui do meu batente

Vou tomar mais um destino

Para falar de uma gente

Que tem modos diferentes

Evita até cantar hino.

 

É um povo encantador

Apesar de certa história

Que não deixou qualquer glória

Mas um período de dor

Falo da luta inglória

Que não levou a vitória

Para um grande ditador.

 

Acho que a Copa do Mundo

É uma oportunidade

De redimir de verdade

Aquele trauma profundo

Em nome da liberdade

Pelo bem da humanidade

É o perdão em um segundo.

 

Quero olhar a Alemanha

Com toda honestidade

Buscando sempre a verdade

Que o seu povo acompanha

Com muita dignidade

Sua gente sem alarde

Com melhores dias sonha.

 

A minha convicção

Nessas rimas tão sinceras

Já vem de algumas eras

Pois conheço um alemão

Que há muito tempo espera

Por sua maior quimera:

Só pede compreensão.

 

Ele é um rapaz novo

Não tem nem quarenta anos

Mas teve alguns desenganos

Ao falar sobre seu povo

Quis até mudar de planos

Mesmo sem gestos profanos

Pois se achava um estorvo.

 

Um dia não agüentou

Ficou muito emocionado

E disse em tom embargado

Para quem o escutou

Que nunca foi nem soldado

E o tratam como culpado

Pelo que ruim se passou.

 

Perto da linha do trem

Debruçado na varanda

Ele não teve mais banda

Pois sabe o que convém

Olhando um pé de lavanda

Perguntou sem fazer onda

- O que eu fiz com alguém?

 

Essa é a grande questão

Que temos de responder

Pois Hitler fez sofrer

Um monte de geração

Mas agora vamos ver

Se dá pra esclarecer

Pro bem do povo alemão.

 

Mas a Alemanha é mais

Tem beleza de se ver

Para nunca esquecer

As paisagens naturais

Vamos aqui percorrer

Desde o amanhecer

Cidades, campos e cais.

 

Floresta Negra, que sonho,

Starnberg, quanta rosa,

Munique, tão poderosa,

Que amanhecer risonho,

Stutugart, fogosa,

Colônia, maravilhosa,

E Berlin é um enfronho.

 

Num país tão esportivo

Veja o que alguém fez

Nos jogos de trinta e seis

Com tirânico motivo

Tentaram mudar de vez

Do mundo todo a tez

Com estúpido incentivo.

 

Mas não podia dar certo

O mundo se rebelou

E o nazismo derrotou

Na Europa e no deserto

Agora tudo passou

Só uma lição ficou

Pros de longe e pros de perto.

 

Campos de concentração

Escombros de bombardeio

O país estava cheio

Do tom da destruição

Mas aquele cenário feio

Foi mudado de permeio

E surgiu bela nação.

 

A Alemanha moderna

Está encantando agora

A todos que vão de fora

Do Brasil, Japão ou Berna,

Como o sol da aurora

Que anima quem namora

Com uma beleza eterna.

 

Um povo trabalhador

Competente e decidido

Tanto faz ser um adido

Como um agricultor

Conhece o melhor sentido

Do trabalho aguerrido

Tudo ali tem seu valor.

 

A cultura preservada

Faz a história geral

A arte sensacional

E a música bem tocada

Não tem presteza igual

Pois é mesmo o ideal

Até para a criançada.

 

O sol também colabora

Com o desenvolvimento

Só se põe por um momento

Estranho para os de fora

Olhando no firmamento

Esperam pelo relento

Ele se pôr às dez horas.

 

A lua, por sua vez,

Ali nasce atravessada

Assim em toda jornada

Das fases de todo mês

Dizem que é engraçada

Mas faz parte da morada

Quem estranha é o freguês.

 

Mas andar na Alemanha

É como viver a história

Tem ainda muita glória

Muitos casos e façanhas

Museus, castelos, vitórias,

Nada de coisa simplória,

Nem de nocivas barganhas.

 

Goethe, Marx, Gutemberg,

Ludwig, quanta gente,

Luthero, homem tão crente,

E o símbolo Nurenberg,

Tudo passa em minha frente

Que emoção diferente

Talvez você não enxergue.

 

Berlin, mais simbologia,

Brandenburgo, seu portão,

O muro, tanto aflição,

Lutas de ideologia,

Agora uma só nação

Feliz num só coração

Tudo por um novo dia.

 

Nesse cenário de vinho

O Futebol jogam bem

Nunca esnobam ninguém

E respeitam a Canarinho

Mas agora o seu porém

É saber que não contém

Os chutes de Ronaldinho.

 

País de tanta emoção,

Adoro a Alemanha,

E se lá o Brasil ganha,

Digo que não foi em vão,

Apaga o fiasco da Espanha,

Pois agora não tem manha,

Viva a nossa seleção!

 

FIM

  

LEIA TAMBÉM

Poemas de Walter Medeiros

e-mail 

Poemas de CORDEL

(*) O conteúdo deste site pode ser reproduzido, desde que citada a fonte e o uso não seja para fins comerciais.

VISITANTES