Poemas de CORDEL

Coletânea de versos de Walter Medeiros e outros cordelistas nordestinos

 

A terra está esquentando e a culpa é do homem

 

--- Walter Medeiros 

 

Muita coisa nesta vida

Já conseguiu me chocar

Me fez rir e fez chorar

E continuei na lida;

Mas agora vou narrar

O pior fato que há

Na nossa terra querida.

 

Não é de se apavorar

Mas é bem preocupante

Pois um problema gigante

Acabam de anunciar;

É dose prá elefante

Pois deu no alto-falante

Que a terra vai esquentar.

 

Não se trata de rompante

Pois quem disse foi a ONU

Nem se deve perder sono

Ou ver algo delirante;

Se a terra não tem dono,

Dióxido de carbono

É pior que meliante.

 

Falam também no metano

E no óxido nitroso

Um efeito horroroso

Para o habitat humano;

O calor calamitoso

Que já é muito danoso

Aumenta a cada ano.

 

Não é conto de trancoso

Mas é de bem e de mal

Catástrofe ambiental

É bom ficar bem cioso;

Rádio, tv e jornal

Divulgaram tudo igual

Sem ter mais vez prá dengoso.

 

E olhe que é parcial

Essa conclusão enfática

Sobre mudança climática

Deveras fenomenal;

Parece coisa galática

Mas tem uma matemática

Ruim prá planta e animal.

 

Explicando a problemática

Dizem que em dois mil e cem

Ninguém viverá tão bem

Já dá prá pensar na prática;

Esse tempo que se tem

Terá quatro graus além

Numa era sorumbática.

 

Falam em mais um porém

Sobre as camadas polares

Que perderão seus lugares

Pois esquentarão também;

Derreterão sob olhares

Dos filhos que aqui deixares

E a quem queres muito bem.

 

Vai ter coisa até nos mares

Que já têm seus perímetros

Cinquenta e oito centímetros

Já te mandam calculares

Usarão até multímetros

Pois a tensão dos voltímetros

Será medida nos ares.

 

Mais de dois mil cientistas

Assinam o relatório

Não é um dado simplório

É de encher as revistas

Apesar do falatório

De um ianque inglório

Prá quem tudo é terrorista.

 

Nada ali é irrisório

Pois as secas e tufões

Terão mais situações

Sem nada de ilusório;

Diversas populações

Terão suas aflições

Afetando até cartório.

 

O aquecimento global

Não é nada por engano

É culpa do ser humano

Que destruiu manguezal;

Desse jeito, ano a ano

Algo pior que profano

Fez assim o maior mal.

 

Já faz quase doze anos

Que se falou em Kyoto

Não era coisa de boto

Mas sobre erros humanos

Gases, fumaça, esgoto,

Não é coisa de garoto

Mas faltam americanos.

 

O tal do efeito estufa

Cujo estrago já se viu

Teve ilha que sumiu

Onde tambor não mais rufa;

Geleira também caiu

E muita gente sentiu

Quem escapou disse “ufa!”.

 

O relatório saiu

Algo precisa mudar

Para da terra cuidar

Começar pelo Brasil

Bastava não desmatar

Para muito ajudar

Já seria nota mil.

 

Quando quiser viajar

Evite ir de avião

Pois em qualquer estação

Ele vai gás espalhar;

Andar de carro, então,

Se não tiver solução,

Motor sempre revisar.

 

Dessa forma, cidadão,

A mudança começou

Nosso clima esquentou

Temos um novo padrão

Tempestades de horror

Muita gente já pegou

E pode ter mais, então.

 

A ciência observou

Que essa variação

Teve a participação

Do homem que relegou

Por causa de ambição

Destrói da terra o pulmão

Que Deus um dia criou.

 

Não é qualquer impressão

Capaz de gerar enganos

Pesquisaram em mil anos

Região por região

Então daqui a cem anos

Caso sejam mais insanos

Não sei como será não.

 

A ONU tem grande plano

Para enfrentar o problema

Estuda um grande esquema

Até o fim deste ano

Uma coisa prá cinema

Que pode levar o lema

De salvar o ser humano.

 

Pensando nesse sistema

Vamos raciocinar

Como essa terra será

Na praia de Ipanema

Quarenta graus ao luar

Mais quatro graus aumentar

Aí vai ser um problema.

 

Acho que vou terminar

Deixo a bola com você

Para não enlouquecer

Vou parar de matutar;

Para quem conseguiu ler

Quero apenas dizer

Que só quem viver verá.

 

FIM

  

LEIA TAMBÉM

Poemas de Walter Medeiros

e-mail 

Poemas de CORDEL

(*) O conteúdo deste site pode ser reproduzido, desde que citada a fonte e o uso não seja para fins comerciais.

VISITANTES